..::Ministério da Reconciliação::..

Text size
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Davi e Bate-seba

E-mail Imprimir PDF

Pecados em série e suas conseqüências desastrosas

A bíblia não se cala sobre os erros de seus personagens, mesmo daqueles considerados de grande importância. Esta é uma forte evidência a favor de sua veracidade.

 

Davi, no dia da batalha, preferiu ficar em casa descansando (ISm.11.1). Aquele que se mostrara tão audacioso no confronto com Golias, agora deixa que outros enfrentem o inimigo. Estaria acomodado após a conquista do trono? Seria uma questão de preguiça, negligência, omissão? Talvez. Sendo rei, podia fazer ou deixar de fazer o que quisesse. Contudo, a soberania sem limites criou oportunidade para o pecado. Houve mau uso de sua liberdade.

Estando no terraço, ocioso, talvez com a mente vazia, viu uma mulher tomando banho. O homem é muito influenciado pelo que vê. Davi não era diferente. Bate-seba, por sua vez, foi imprudente ou mal-intencionada, ao desnudar-se sem os devidos cuidados. Imediatamente, Davi mandou que a buscassem para si. Quem poderia resistir à ordem do rei? Entretanto, verificou-se ali o abuso de autoridade, a serviço da cobiça e do egoísmo. A concupiscência tomou o lugar do amor ao próximo. Todo líder precisa ser vigilante no uso das prerrogativas de sua posição, reconhecendo os limites de sua autoridade. A função de liderança não significa permissão para o pecado nem isenção de responsabilidade. O súdito ou subordinado não deve ser usado como objeto de exploração ou manipulação.

Davi cometeu adultério com Bate-seba e não imaginou que pudesse ser descoberto. Afinal, não houve testemunhas daquele crime (IISm.12.12). Se a mulher dissesse alguma coisa, ninguém acreditaria e ela ainda poderia sofrer punições por acusar o rei.

Quando Bate-seba voltou para casa, o problema parecia encerrado. Contudo, era apenas o início de um longo pesadelo. Muitos cometem atos ilícitos e pensam que tudo se encerrará ao amanhecer, mas caem em laços que os prendem pelo resto da vida.

O ato pecaminoso deu início a uma série de fatos descontrolados, numa seqüência cada vez mais complicada, irreversível e com desfecho trágico.

Na busca pelo prazer irresponsável, ocorreu o efeito colateral: uma gravidez indesejada. Daí em diante, o desejo de esconder o erro crescia junto com as evidências. Foi assim, desde o Éden (Gn.3.7-10).

Davi passou a se comportar como alguém que tenta, desesperadamente, conter um vazamento perigoso. Todavia, cada medida piorava ainda mais a situação. Seu primeiro plano inteligente para encobrir o pecado foi trazer para casa o marido, Urias, que estava no campo de batalha. Assim, todos pensariam que o filho era dele, ainda que alguns traços reais em seu rosto pudessem desmentir a opinião pública. Depois, o que seria daquele menino? Um pequeno príncipe, filho do rei, sem honra, sem palácio e sem herança.

A idéia de transferência da paternidade não funcionou. O soldado recusou-se a dormir no aconchego do seu lar, enquanto seus correlegionários estavam na guerra. Vemos ali um exemplo de solidariedade e renúncia.

Veio então o "plano B": providenciar a morte do marido. E assim foi feito. Urias foi devolvido ao comandante, levando, por meio de uma carta, sua própria sentença de morte. A maldade do rei adquiriu requintes de crueldade. O pecado traz muitas conseqüências, inclusive novos pecados, talvez até mais graves, para encobrir o primeiro. "Um abismo chama outro abismo" (Salmo 42.7). O adultério traz consigo as mentiras, as farsas, o esforço pelo sigilo e, naquele caso, produziu um homicídio. Entretanto, aquela morte foi muito bem arquitetada. Novamente, a inteligência do rei elaborou um plano astuto. Quem poderia dizer que Davi matou Urias? Afinal de contas, ele morreu em combate. Somente o general tinha conhecimento da ordem para que o soldado fosse colocado na linha de frente.

A pedra lançada num lago provoca uma turbulência na superfície que se propaga em forma de ondas em todas as direções. Assim acontece com o pecado cometido. Ele traz muitas conseqüências, algumas imprevisíveis, com efeitos negativos diversos, afetando o pecador e os que estão à sua volta, principalmente a própria família. O Antigo Testamento traz exemplos de famílias destruídas por causa do pecado de um de seus membros, geralmente do pai (Js.7.24-26; Num.16.31-32). No caso de Davi, sua família sofreu graves danos (IISm.12.10-12; 16.22). Também foi destruído o lar de Urias. Além disso, o filho do adultério morreu poucos dias depois do seu nascimento (IISm.12.18).

Notemos, portanto, a seqüência de fatos: adultério, gravidez indesejada, homicídio, morte do filho. Além disso, o mau testemunho de Davi foi motivo de blasfêmias por parte dos inimigos do Senhor (IISm.12.14), motivo pelo qual o castigo precisava ser de conhecimento público. Não permita que isto aconteça em sua vida. Não entre por esse caminho maligno.

O pecado tem algumas repercuções imediatas e outras a prazo. Seus efeitos afetam o passado, o presente e o futuro. Como pode afetar o que passou? Desvalorizando os êxitos anteriores, derrubando o que foi construído, destruindo lares e reputações, corrompendo os conceitos que já estavam consolidados. Quanto ao futuro, as portas se fecham, as expectativas se desfazem ou ficam bastante prejudicadas. O castigo passa a ser aguardado com temor. O pecado abre feridas e deixa cicatrizes. As gerações futuras também podem ser influenciadas negativamente, através de conseqüências naturais e espirituais. No mínimo, receberão o mau exemplo. Na pior das hipóteses, serão exterminadas, como aconteceu com muitos descendentes de Cão.

Depois da morte de Urias, Davi imaginou que seu pecado estivesse seguramente encoberto. Por fim, casou-se com Bate-seba que, nesse tempo, já estava viúva. Aí então, o rei deve ter pensado que tudo estivesse regularizado. Entretanto, o casamento, por si só, não apaga o adultério nem purifica pecados. É preciso arrependimento, conversão e perdão. Davi tomou muitas providências para controlar o caos que ele mesmo provocou, mas foi em vão. As soluções humanas não são suficientes para resolver problemas espirituais causados pelo pecado. A vida de Davi parecia continuar dentro da normalidade, quando o profeta Natã veio lhe fazer uma visita. Deus vê todas as coisas. Ele é testemunha e também juiz. Não existe pecado secreto.

"Esta coisa que Davi fez pareceu mal aos olhos do Senhor" (IISm.11.27).

O profeta recebe de Deus a dura incumbência de repreender o rei. O ministério profético, semelhante ao trabalho do oficial de justiça, é difícil, pois pode envolver grandes desafios e grandes riscos. O porta-voz de Deus não pode ser covarde nem medroso. Naquele tempo, sua missão de cobrar o cumprimento da lei fazia com que ele fosse rejeitado e perseguido (Mt.5.12). Sua companhia nem sempre era desejável. Contudo, seu galardão seria grande.

O profeta não é superior ao rei, mas a palavra de Deus, que é o Rei dos reis, está acima de qualquer autoridade humana. Natã foi até o palácio mostrar ao rei que a autoridade divina não pode ser desconsiderada pelo líder humano. O rei não está acima da lei divina. Chegou o momento da prestação de contas. O profeta veio trazer a acusação e a notificação da sentença, embora com oportunidade para que o réu se manifestasse. A abordagem precisava ser feita com sabedoria. Para tanto, uma parábola foi proposta. Davi, sendo músico e poeta, gostava de parábolas, principalmente sobre ovelhas. Contudo, esta não lhe seria agradável.

Ouvindo a respeito do erro do personagem fictício, o rei se apressou em pronunciar a condenação sobre ele (IISm.12.5). Somos rápidos para julgar os pecados alheios, e lentos para o reconhecimento dos nossos. Então, Natã revelou que o personagem pecador representava o próprio rei. Quando ouvimos a palavra de Deus, precisamos olhar para nós mesmos e não ficar tentando enquadrar as outras pessoas.

Ainda hoje, Deus envia sua palavra para mostrar o pecado, avisar sobre as conseqüências e oferecer misericórdia. Cabe ao pecador responder à voz de Deus e aproveitar sua oportunidade.

Davi poderia mandar matar Natã, dando seqüência à série de pecados que vinham sendo cometidos. Entretanto, ele escolheu aceitar a repreensão e se arrepender. Naquele momento, o rei muda a direção de sua vida. Isto é arrependimento. Naqueles dias, Davi compôs o Salmo 51, expressando todo o seu pesar e transformação.

Se não houvesse mudança, Davi morreria (IISm.12.13). Esta seria a próxima etapa em sua trajetória de transgressões. Afinal, o salário do pecado é a morte (Rm.6.23). Contudo, o rei tomou a decisão correta, escolheu o perdão e a vida. Davi foi perdoado (IISm.12.13).

A todos os pecadores, Deus chama ao arrependimento (At.17.30). Os danos causados pelo pecado podem ser muitos, mas o Senhor deseja livrar nossas almas do inferno, que é a última estação para os que insistem em andar longe dos caminhos do Senhor.

Deus perdoa, mas muitas conseqüências permanecem. Portanto, a prevenção é o melhor remédio. O filho daquela união morreu. Um inocente sofreu a conseqüência do pecado de seu pai. Devemos ser cuidadosos para que os nossos filhos não sejam vítimas de nossas iniqüidades. Sejamos sábios e não loucos. Sábio é aquele que escolhe a justiça e a retidão.

O relato nos ensina sobre o caráter humano e o caráter divino. O amor e a misericórdia de Deus se destacam através do perdão concedido àquele que cometeu pecados tão graves. Talvez não sejamos capazes de perdoar erros de tal magnitude (IISm.12.5).

Por outro lado, a misericórdia de Deus não deve ser utilizada como desculpa para a prática do pecado, pois as conseqüências deste podem ser tão devastadoras a ponto de exterminar o pecador antes do arrependimento e do perdão.

Aprendamos com a história de Davi. Aquele grande servo de Deus cometeu graves pecados, mas não permaneceu neles. Que Deus nos ajude, para que nossas vidas sejam conduzidas dentro da sua vontade, de acordo com a sua palavra, produzindo motivos de glória para o seu nome.


Anísio Renato de Andrade – Bacharel em Teologia.
Professor do Steb - Seminário Teológico Evangélico do Brasil
e do Sebemge - Seminário Batista do Estado de Minas Gerais

 

licoesbiblicasnovas