..::Ministério da Reconciliação::..

Text size
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Palavra do Pastor Palavra do Pastor “Páscoa – Festa Judaica, Pagã ou Cristã?”

“Páscoa – Festa Judaica, Pagã ou Cristã?”

E-mail Imprimir PDF

pastoraparicio

Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.

Colossenses 2:16-17


Amados,

Tenho me surpreendido com as últimas informações a respeito da fabricação, venda e consumo dos chamados ovos de páscoa. Como tudo no mundo capitalista há uma grande expectativa dos empreendedores ligados ao ramo do chocolate que projetam uma triplicação dos negócios e por conseqüência um aumento significativo em ofertas de empregos temporários e até fixos.

Mas, até aonde a chamada festa da páscoa conserva seus objetivos cristãos?

 

Em primeiro lugar, é necessário esclarecer que a idéia dos coelhos que botam ovos de chocolate é de origem pagã. Este costume é uma alusão a antigos rituais pagãos relacionados à deusa da fertilidade e do renascimento da mitologia anglo-saxã. A idéia original no paganismo está relacionada à sorte que uma lebre sacrificada poderia trazer em suas entranhas. Acompanhadas do ritual de previsão do futuro, sacerdotisas pagãs ministravam a tal benção ligada à prosperidade.

 

Em segundo lugar, a festa da páscoa judaica está relacionada não diretamente a saída do povo judeu do Egito, mas sim ao livramento da praga da morte dos primogênitos, razão esta que levou Faraó a aceitar a saída do povo de Deus de sua servidão que já permanecia 400 anos. A palavra páscoa, original hebraico – “pesah” – significa: pular além da marca, passar por cima ou poupar, desta maneira o cordeiro perfeito proposto por Deus para sacrifício era uma tipologia a respeito da promessa do Messias.

 

Em terceiro lugar, a festa da páscoa cristã deveria estar relacionada à correta interpretação bíblica da tipologia do livramento do povo judeu da praga da morte dos primogênitos e por conseqüência sua libertação da escravidão de Faraó. Tratando-se de uma sombra, o sacrifício do cordeiro aponta para a mensagem reconhecedora de João Batista que apontou para Jesus e disse: “Eis aí o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” – João 1:29.

 

Por fim, vale realçar que semelhante ao Natal, a festa da Páscoa além de absorver idéias errôneas e idólatras do paganismo, apagam a memória correta da razão do nascimento e morte de nosso Salvador. Como podemos observar as chamadas datas de feriados religiosos em nosso país não contribuem em nada para o exercício da fé cristã bíblica, além de ser objeto de manipulação para o consumismo e os interesses capitalistas. Cabe a nós, que pela graça de Deus alcançamos a liberdade em Cristo, anunciarmos que Ele é o nosso Cordeiro pascal e que Ele morreu em nosso lugar, como um substituto voluntário para que por meio Dele tenhamos a vida eterna. Amém.

 

licoes2019